Indicação de Leitura: O Cérebro da Criança.

Postado em Postado em Psicologia

O livro “O cérebro da criança” possui linguagem simples e prática, tanto na apresentação de diversos conceitos de neurociências quanto das estratégias e dicas que podem ser aplicadas em crianças pequenas/bebês (0-3 anos), crianças pré-escolares (3-6 anos), em início da idade escolar (6-9) e na idade escolar (9-12). Foi elaborado para auxiliar pais e pessoas que convivem com crianças que desejam compreender melhor a complexidade do funcionamento cerebral e como otimizá-lo por meio das experiências sociais significativas que moldam este órgão tão importante para nossa saúde mental.

No primeiro capítulo, “criação dos filhos: levando o cérebro em consideração”, os autores discursam sobre o papel central que o cérebro desempenha em diversos aspectos da vida de uma criança: na sua disciplina, tomada de decisão, autoconhecimento, aprendizado, relacionamentos… entre vários outros contextos complexos. Por ser um órgão moldado pelas experiências, podemos desenvolver competência cognitivas e socioemocionais na criação das crianças.

Podemos promover a integração de diversas funções e no processamento cerebral das crianças a fim de facilitar a aprendizagem das experiências pelas quais elas passam. Isso facilita sua adaptação a novas situações pela via da organização (lado esquerdo do cérebro, racional, analítico) e pela via do processamento emocional (lado direito do cérebro). Ao integrar essas dimensões, o cérebro trabalha de forma coordenada e equilibrada. A criança se sente confiante e segura dos desafios que irá enfrentar quando o adulto a auxilia. Por outro lado, uma criança confusa, caótica, imersa em suas emoções, agressiva e impulsiva está sofrendo e precisa de integração. A integração cerebral pode ser desenvolvida em dois eixos: horizontal (dos hemisférios esquerdo e direito) e vertical (das estruturas mais rudimentares às mais evoluídas).

Conversar com as crianças sobre as experiências vividas auxilia na memorização e no aprendizado. Pais que conversam com os filhos sobre sentimentos (tanto os da criança quanto os seus próprios sentimentos enquanto pais!) desenvolvem a inteligência emocional e consequentemente as habilidades sociais dos filhos.

O conceito de saúde mental é relacionado ao fluir de um rio no qual existem duas margens e à capacidade de fluir neste rio de bem estar: fluindo em boa sintonia consigo mesmo e nos relacionamentos, sendo flexível diante das mudanças.

Porém, ao aproximar-se da margem do CAOS, sentimos falta de controle.

Ao aproximar-se da margem da RIGIDEZ, há imposição de controle sobre tudo e todos ao redor. Em ambas as margens, há grande sofrimento e dificuldades na adaptação. A integração entre o controle e a flexibilidade possibilita o bem estar.

Esses conceitos podem auxiliar a nossa reflexão sobre o comportamento de pais e de filhos em diferentes etapas da vida. Pais controladores ou caóticos podem prejudicar o desenvolvimento emocional e cognitivo dos filhos. As pesquisas recentes de genética demonstram que aproximadamente metade dos nossos traços de personalidade são herdados e, portanto, as tendências inatas devem ser contrabalanceadas às experiências que permitam o equilíbrio mental. Isso exige habilidades parentais importantes e o próprio autoconhecimento dos pais.

Apresentamos agora um resumo dos demais capítulos do livro.

Dois cérebros são melhores do que um: integrando o esquerdo e o direito

                Eliminando os estigmas razão versus emoção na criação dos filhos e na estimulação de habilidades. Usar habilidades cognitivas (racionais) para auxiliar a compreensão emocional e usar competências emocionais para auxiliar a cognição (com propósito, motivação, perseverança, foco).

Construindo a escadaria da mente: integrando os andares de cima de baixo do cérebro

                Estimulando as conexões entre as percepções e sentimentos com os recursos de resolução de problemas. Encorajando a criança a desenvolver o autocontrole, a mudança de perspectivas, habilidades de resolução de problemas, a elaboração de hipóteses.

Mate as borboletas! Integrando a memória para crescimento e cura

                Ajudando as crianças e reconhecerem e a tornarem explícitas memórias diversas (inclusive aquelas e experiências desagradáveis e traumáticas) para que as emoções negativas de experiências passadas não atrapalhem as vivências futuras.

Estados Unidos de mim: integrando as muitas partes de mim mesmo

                Auxiliando-as a reconhecer seus sentimentos e a capacidade de focar a atenção quando os sentimentos os deixarem confusos.

A conexão eu-nós: integrando o self e os outros

                Criando modelos mentais positivos de relacionamentos, exercendo bons modelos de habilidades sociais perante os familiares e as pessoas de sua comunidade. Aproveitando experiências de conflitos que são inerentes nas relações para exercitar habilidades de empatia e tolerância, bem como de negociação e de tomadas de decisão.

Ao final destes capítulos estão disponíveis anexos com fichas que resumem as técnicas e estratégias para fácil visualização e aplicação em diversas situações com as crianças.

Bacana, não é? Quem se interessar em comprar o livro e estudá-lo para auxiliar as crianças, pode deixar aqui seus comentários e impressões sobre como foi sua experiência.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *